EMOÇÃO E TRISTEZA NO SEPULTAMENTO DE RAMICIELY E VERIDIANA EM SANTA TEREZINHA

As duas faleceram ontem, 05/02/2020, uma de morte suspeita e a outra por causas naturais.

Por Pedro Fontoura 06/02/2020 - 17:04 hs
Foto: Portal Todo Dia Notícias
EMOÇÃO E TRISTEZA NO SEPULTAMENTO DE RAMICIELY E VERIDIANA EM SANTA TEREZINHA
A ÚLTIMA MORADA DE RAMICIELY E VERIDIANA

Portal Todo Dia Notícias

Aconteceu na tarde desta quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020, o sepultamento de duas itaipuenses mortas nas últimas horas.

Os dois corpos foram velados na Capela Mortuária Municipal, dentro do próprio cemitério, com grande comparecimento de público nos dois dolorosos eventos.

O primeiro funeral foi o de RAMICIELY CARLESSI JACINTO, 43 anos, que começou às 15 horas, com muita consternação e tristeza e foi acompanhado por pais, parentes e amigos, que viram a parede se fechar no Jazigo da família Carlessi. Ela que foi encontrada boiando nas águas de um córrego no Jardim Itália em Foz do Iguaçu.

O Portal Todo Dia Notícias, respeitou a dor da família, mas conversou com o secretário de turismo de Foz do Iguaçu, Gilmar Piolla, já que ela era sua funcionária. Disse Piolla:

“Nosso sentimento é de muita tristeza e de revolta ao mesmo tempo e de indignação por esse bárbaro crime que cometeram contra a nossa amiga e colega de trabalho a Ramiciely Carlessi, que era um exemplo de funcionária pública, uma pessoa cativante que tinha muitos amigos, não só na secretaria mas dentro de toda a administração municipal e no setor de turismo. Estamos chocados om esse crime e esperamos que sejam esclarecido o mais urgente possível e os responsáveis sejam punidos com todo o rigor da lei”, completou Piolla, visivelmente entristecido.

FOTOS DESTE SEPULTAMENTO

A tristeza da mãe, Ana Carlessi (de azul)


Parentes e amigos acompanharam o fechamento do jazigo com tijolos e cimento


João, o pai, ao lado de Gilmar Piolla 

VERIDIANA FOI SEPULTADA ÁS 16 HORAS

Enquanto isso, continuava acontecendo em outra sala, o velório da Veridiana, rodeada de parentes e amigos, com grande tristeza para os pais Gilson e Nilsa, que se mostravam inconformados.

Veridiana, a filha que atendia na loja de auto-peças da Mecânica Gilson, que tratava a todos com cordialidade e respeito, sempre ao lado dos pais na mesma empresa, não voltaria mais para o convívio deles e nem da dela própria, algo aconteceu e ela de apenas 32 anos, teve morte natural.

No momento de colocarem a tampa no caíxão, às 15h55, foi que bateu o desespero nos pais, que tiveram quer retirados da sala, mas aguentaram firme, até que o caixão, com o último adeus à Veridiana foi fechado dentro do túmulo.

MAIS FOTOS DESTA OUTRA TRISTE HISTÓRIA.