Invasão de terra deixou de ser um bom negócio na era Bolsonaro

Por Pedro Fontoura 15/04/2019 - 20:47 hs
Foto: Leonardo Wen / Folha
 Invasão de terra deixou de ser um bom negócio na era Bolsonaro
Militantes do MST erguem suas foices, em fazenda invadida na Bahia (ARQUIVO)

CANAL RURAL

Publicado por: Fábio Santos em 15/04/2019 às 17:36 

Daoud: As invasões de terra caíram no Brasil depois do início da gestão Jair Bolsonaro. Nos três primeiros meses do ano, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) registrou apenas um caso de invasão, diante de 43 no mesmo período do ano passado.

Este é um assunto que a gente sempre discutiu aqui no Canal Rural e, ao meu ver, a invasão de terras por alguns grupos funcionava como um grande negócio para setores da esquerda que não trabalham e acham que a invasão de terra seria uma forma de conseguir esse benefício.

É evidente que essas invasões viraram um instrumento para dar sustentação a uma série de pessoas que estavam ali neste movimento e que contavam com o respaldo dos governos anteriores. Ficavam ali na beira das estradas recebendo cestas básicas e benefícios, sempre na expectativa de invadir.

O que mudou?

Nossa agricultura evoluiu muito, se tornando muito competitiva. A invasão de terras deixou de ser um negócio porque, entre outras coisas, o governo Bolsonaro se comprometeu a fazer a lei se cumprir em casos como este. Não haverá o respaldo do governo e, futuramente, não haverá desapropriações de terras em favor dos invasores.

Além disso, quem invade terra sabe que o produtor rural agora pode estar armado e agirá em legítima defesa.