Pegadinha ou realidade? O que se sabe até agora sobre a Momo no YouTube

Pais denunciam a circulação na internet de vídeos em que uma personagem chamada Momo estimula crianças a cometer suicídio. Não há, ainda, porém, comprovação de que a ameaça seja real

Por Pedro Fontoura 18/03/2019 - 19:59 hs
Foto: Reprodução Internet
Pegadinha ou realidade? O que se sabe até agora sobre a Momo no YouTube
Seria esta mais uma lenda da internet?

CORREIO BRAZILIENSE

FJ Fernando Jordão  HR Humberto Rezende HL Hellen Leite

Nos últimos dias, brasileiros preocupados com a segurança de seus filhos passaram a compartilhar alertas sobre uma ameaça que estaria circulando em vídeos infantis do YouTube. Segundo esses relatos, uma personagem chamada Momo estaria aparecendo no meio dos vídeos e dando instruções para que as crianças ferissem a elas mesmas e cometessem suicídio. O Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA) instaurou procedimento para apurar o caso e notificou o Google, empresa responsável pela plataforma de vídeos, e o WhatsApp para que removessem evetuais conteúdos relacionados à denuncia. 

Os alertas se espalharam nas redes sociais e em grupos de WhatsApp, deixando muitos pais assustados. A veracidade sobre os vídeos ameaçadores, no entanto, não foi confirmada, e a se julgar pelo que já ocorreu em outros países, pode ser apenas uma fraude, criada não para colocar crianças em risco, mas os pais em pânico. Nesta segunda-feira (18/3), a revista Pais e Filhos publicou uma reportagem dizendo que um menino de 4 anos teria tentado cortar os próprios pulsos por influência da Momo. A informação, porém, não foi confirmada por nenhuma autoridade do Goioerê (PR), cidade onde o caso teria ocorrido. A Polícia Civil do Paraná não registrou nenhuma ocorrência semelhante à denúncia.

Continua depois da publicidade

Coordenador do Núcleo de Combate a Crimes Cibernéticos (Nucciber) do MPBA, o promotor Moacir Nascimento informou que, após a manifestação das empresas, o órgão estudará o que fazer. Ele afirma que não é possível responsabilizar as plataformas pelo conteúdo, mas que o MP espera que elas utilizem o "arsenal" tecnológico usado, por exemplo, para garantir o respeito aos direitos autorais, para filtrar conteúdos infantis. "Entende-se que essas empresas precisam colocar essa mesma infraestrutura também a serviço da proteção do direito de crianças e adolescentes", frisou.

Procurado pelo Correio, o YouTube se pronunciou na tarde desta segunda-feira (18/3), por meio de nota, dizendo que não há evidências da aparição de Momo nos vídeos do canal Kids da plataforma. O texto ressalta, ainda, que esse tipo de conteúdo "violaria as políticas da empresa e que seria removido imediatamente". Leia o comunidado na íntegra:

"Ao contrário dos relatos apresentados, não recebemos nenhuma evidência recente de vídeos mostrando ou promovendo o desafio Momo no YouTube Kids. Conteúdo desse tipo violaria nossas políticas e seria removido imediatamente. Também oferecemos a todos os usuários formas de denunciar conteúdo, tanto no YouTube Kids como no YouTube. O uso da plataforma por menores de 13 anos deve sempre ser feito pelo YouTube Kids e com supervisão dos pais ou responsáveis. É possível que a figura chamada de 'Momo' apareça em vídeos no YouTube, mas somente naqueles que ofereçam um contexto sobre o ocorrido e estejam de acordo com nossas políticas. Para mais detalhes, vale consultar a página sobre Segurança Infantil no YouTube"