Proposta do governo paranaense quer melhorar as condições de tráfego das rodovias com redução de tarifas

O pacote de concessões que o governo federal planeja licitar em 2020 deve abranger aproximadamente quatro mil quilômetros de rodovias do Paraná.

Por Pedro Fontoura 27/02/2019 - 18:49 hs

Proposta do governo paranaense quer melhorar as condições de tráfego das rodovias com redução de tarifas
Movimento em Curitiba em direção ao litoral, pela BR 277

Massa News

O objetivo da equipe paranaense – que propôs a inclusão de novos trechos ao pacote – é que, desta forma, as ações aconteçam em curto prazo, as tarifas sejam reduzidas e as rodovias tenham melhores condições de tráfego.

A diretora de Regulação Econômica e Financeira da Agência Reguladora do Paraná (AGEPAR), Rejane Karam, que acompanhou a equipe do Governo na primeira reunião com o Ministério da Infraestrutura para apresentação do projeto, explicou que a ideia é rever o Anel de Integração e incorporar mil quilômetros de rodovias estaduais. “São rodovias que têm viabilidade econômica sob a ótica do tráfego, pois são rodovias com alto tráfego, compatíveis com o Anel. A gente também sugere a análise de dois grandes corredores federais, que também se integram à rede federal, que é o corredor da PR-163, que liga Guaíra até Barracão, e a PR-476, que liga Palmas até General Carneiro. Este é o Corredor do Frango, que se ligaria à nossa PR-280 e faria um corredor único no grande sudoeste do Paraná”, detalhou.

De acordo com Rejane, a PR-280 é um dos corredores que só é estadual dentro do Paraná, se transformando em federal em direção aos portos, inclusive com obras de ampliação. “A rodovia está entre dois eixos federais, e é um dos corredores que estamos propondo estudos para possível concessão”, disse. Para a diretora, a proposta viabiliza o negócio e diminui as tarifas para os usuários. 

“Corredores isolados como nós temos, o corredor da PR-280 e da PR-092, que já foram objeto de estudo do Governo para possíveis concessões, são mais caros quando tratados isoladamente. Se você joga isso em grandes blocos de rodovia, você viabiliza mais o negócio e diminui a tarifa”, explicou.

 

O pacote, de acordo com Rejane, irá trazer obras no tempo certo, com condições de trafegabilidade e ações em curto prazo. “Hoje as dificuldades em todos os governos é aportar recursos. Recursos humanos para que suas estruturas funcionem, licitações, projetos... é um acesso muito complexo e difícil. O processo de concessão, de privatização, quanto tratado de uma forma completa, é a melhor alternativa para a infraestrutura do país”, garantiu. Com isso, a diretora ressaltou que as rodovias poderão receber melhorias como contornos e áreas de segurança para os pedestres.

O desenho de todo o processo será trabalhado pelo Governo Federal, com contribuição da equipe paranaense. “Vamos trabalhar nesses processos com a experiência que a gente já conseguiu, pelo conceito de inovação que a gente traz. A gente vai contribuir com o Governo Federal com o conhecimento que temos do Estado, com locais que mais precisam de obras. Essa é a proposta que o governador quer implantar no processo”, completou.

Novo modelo

O governador, Ratinho Junior, e o secretário de Infraestrutura, Sandro Alex, já reuniram duas vezes com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e sua equipe para tratar do novo modelo de concessões. A União concordou com as exigências feitas pelo Estado, que passam pela redução de pelo menos 50% no valor das tarifas pagas pelos usuários, execução de duplicações e implantação de contornos rodoviários, principalmente nas maiores cidades.